Datas Históricas
A Origem do Nome
O Registro do Ouro
A Fundação da Cidade
A Capela do Mandu
Senador José Bento
O Primeiro Jornal
Guerras e Revoluções
Escolas e Faculdades
Futebol
Imigração
Comércio
Ortodontia
Indústrias
Os 3 poderes
Artes
Famílias
Curiosidades
Bibliografia e Elaboração

Origem do Nome

Da ambição dos aventureiros que demandavam a região do Sul de Minas, à procura de ouro e outras riquezas, nasceu o conhecimento daquele vasto sertão, ainda desabitado por volta de 1596, quando se deu o primeiro devassamento da bacia do Alto Sapucaí pelos bandeirantes paulistas.
Essas expedições e os raros aventureiros que por aqui transitavam necessitavam se orientar, por falta de informantes, pelas referências geográficas, que por isso ganhavam nomes inconfundíveis: o Matosinho, hoje Pouso Alegre, separado pelo campo do mato grande, era um ponto de referência. A região de Estiva era marcada por uma formação montanhosa no formato de um capuz e ganhou o nome de Serra do Carapuça. Próximo de Santana do Sapucaí, hoje Silvianópolis, havia uma elevação com falha de vegetação no cimo, que recebeu o nome de Serra do Coroado; quem de Ouro Fino viajasse para o Matosinho, depois de vencer o mato encontrava o campo e quem do Matosinho seguia para Ouro Fino, depois de vencer o campo encontrava a mata, por isso a área de transição do campo para a mata era conhecida de uns por Borda do Campo e por outros por Borda da Mata, o nome que perdura.
Foi com a descoberta das minas de Santana, que se iniciou o desenvolvimento do Matosinho do Mandu, primeiro nome de Pouso Alegre. Antes já eram exploradas as minas de São Gonçalo e Campanha, mas o intercâmbio era feito com Vila Rica e São João Del Rey. A transferência do registro do ouro para o Mandu e a abertura dos caminhos dos faiscadores, convergindo para São Paulo, intensificaram o intercâmbio das duas províncias, o que impulsionou desenvolvimento do Sul de Minas.
Descobertas as minas de Santana do Sapucaí em 1745, puseram-se os faiscadores à extração do ouro e os dois exploradores, Francisco Martins Lustosa e Veríssimo João de Carvalho, separaram-se para que cada um deles explorassem uma parte da região.
Conhecido aquele sertão, Carlos de Araujo, Antônio José Machado, Antônio de Araújo Lobato e Félix Francisco, apressararn-se em se apossar das terras.
Foram construídos caminhos para interligar as novas descobertas de ouro, com a junção deles no Matosinho e daí construiu-se outro caminho, em direção sul, que encontrando já construído por Simão de Toledo Pisa, ligando às descobertas de Jaguari e São Paulo, tornou-se a mais fácil via de comunicação de Vila Rica para aquela cidade.
Mas a origem do nome definitivo do arraial, que começava a surgir, tem outras versões, sendo algumas folclóricas e outras mais realistas.
Bernardo Saturnino da Veiga, no seu "Almanack Sul Mineiro", assim a explica: "Em 1797, o Governador Dom Bernardo José de Lorena, Conde de Sarzedas, que de São Paulo fora transferido para a Capitania de Minas Gerais, passou pelo nascente povoado, onde veio encontrá-lo o Juiz de Fora de Campanha, Dr. José Joaquim Carneiro de Miranda. Encantados pelo suntuoso panorama que se descortinava aos seus olhos e pelos vastos e límpidos horizontes que os cercavam, conta-se que um daqueles personagens dissera: "Isto não devia chamar-se Mandu, mas, sim, Pouso Alegre". E daí veio a denominação que o povo e a lei posteriormente sancionaram."


A Origem do Nome
"O Pouso do Mandi, Mandu, Mandi" *

* Estórias do Mandu - Eduardo Toledo.

TV UAI Network - Telefax: (35) 3022-1290 - E-mail: tvuai@tuai.com.br